Amazonas – Prefeitura realiza Seminário de Professores de Ensino Religioso do Amazonas

depositphotos_122499520-stock-photo-waving-flag-of-amazonas-state

Amazonas – Prefeitura realiza Seminário de Professores de Ensino Religioso do Amazonas

Educadores da Prefeitura de Manaus no dia  24/9/2019, da 7ª edição do Seminário de Professores de Ensino Religioso do Amazonas” (Seperam), com o tema “Laicidade, diversidade religiosa e direitos humanos”. A ação, que encerra nesta quarta-feira, 25/9, contou com 96 participantes da rede municipal e foi realizada no auditório da Faculdade Boas Novas, localizada no bairro Japiim, zona Sul.

O seminário é uma parceria da Secretaria Municipal de Educação (Semed) e da Secretaria de Estado de Educação (Seduc), organizado pela Comissão de Ensino Religioso do Amazonas, composto por assessores pedagógicos das duas esferas da rede pública, contando ainda com a parceria da Faculdade Boas Novas.

Participam também do evento professores da disciplina das escolas estaduais, representantes de movimentos sociais, ONGs, instituições religiosas, acadêmicos e profissionais interessados no componente curricular. O objetivo é oportunizar aos professores que trabalham com o componente curricular do ensino religioso o conhecimento e a análise do fenômeno religioso construído nas diversas religiosidades presentes no Amazonas.

Na programação dos dois dias de seminário, os participantes vão contar com palestras, salas temáticas com assuntos variados como diversidade religiosa e direitos humanos: a praxe no chão da escola; religiosidade e as questões de gênero: uma reflexão necessária; temporalidade religiosa: mudanças e permanências, entre outros temas, além da socialização de práticas exitosas em sala de aula e laboratórios didáticos, com a presença de convidados da Semed, Seduc e Faculdades Boas Novas.
A chefe da Divisão de Ensino Fundamental (DEF) da Semed, Vera Lúcia Lima, destacou a importância do evento para buscar novos caminhos dentro da disciplina, algo muito comum dos profissionais de educação de Manaus.

“O seminário é justamente isso, ele estuda os fenômenos religiosos para dotar o professor de conhecimento para desenvolver de uma forma mais prazerosa e dinâmica o currículo de ensino religioso. Serão discutidas várias temáticas que abordam os fenômenos religiosos, além das várias mesas-redondas e oficinas, onde os professores vão participar”, disse.

A assessora pedagógica de ensino religioso da DEF, Solange Oliveira, que ao lado da assessora pedagógica da diversidade, Lídia Helena Oliveira, fazem parte da comissão de ensino religioso do Amazonas, disse que os educadores terão um aprendizado muito grande com o seminário.

“Estamos vivendo um ano ímpar, com a homologação da Base Nacional Comum Curricular (BNCC). O foco do seminário está voltado para isso também. O ensino religioso hoje é área de conhecimento e componente curricular presente na BNCC, e isso é um passo muito importante para os nossos professores, porque é um momento de reflexão sobre a sua rotina no chão da escola”, comentou.
Aprendizado
O professor Giordano Cássio da Silva Costa, da escola municipal São Judas Tadeu, na BR-174, Km 12,5, que participou do seminário pela quarta vez, disse que sempre aprende algo a mais, porque lida com aproximadamente 200 alunos, do 6º ao 9º ano do ensino fundamental.

“Este evento é uma contribuição para nossa formação pessoal e é muito importante, porque vamos ter conhecimentos novos com pessoas capacitadas e isso vai ajudar a nossa prática pedagógica em sala de aula com nossos alunos, porque isso é fundamental”, contou.

Com tema “Religiosidade indígena”, o professor João Bosco Custódio de Souza, da escola municipal Aribaldina de Lima Brito, bairro Val Paraíso, zona Leste, mostrou um pouco de seu trabalho em sala de aula. Para ele, que participa pela quarta vez do evento, é importante interagir com outros colegas as atividades realizadas na escola.

“Apresentei uma prática em sala de aula com todos os materiais no concreto mesmo, com o tema religiosidade indígena, porque se trata de Amazonas e Brasil, sendo muito esquecido pela discriminação e injustiça social que acontece na própria cidade de Manaus, onde os primeiros moradores foram os indígenas”, disse.

Fonte: Paulo Rogério / Semed – Cleomir Santos / Semed
Publicado originariamente em novembro de 2019

/ Brasil

Compartilhar esta Notícia

Comentários

Sem comentários até o momento.

Envie um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Enter Captcha Here : *

Reload Image