Distrito Federal- Novo Grupo de Reflexão do Ensino Religioso da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil para o biênio 2004-2005

brasilia

Distrito Federal- Novo Grupo de Reflexão do Ensino Religioso da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil para o biênio 2004-2005

No campo da Igreja Católica vem sendo confiado desde o ano de 1985 o acompanhamento do Ensino Religioso por meio do Grupo de Reflexão (GRERE), este possui na história nacional um importante papel de reflexão, pesquisas e produção na área. No mês de fevereiro entre os dias 16 e 17 (2004), na Casa Provincial dos Irmãos Lassalistas, da Vila Guilhermina (SP/SP), realizou-se a qüinquagésima primeira reunião do GRERE. A nova equipe do GRERE é composta pelos seguintes professores: Prof. Antonio Boing – paranaense; Profª. Ângela Maria Ribeiro Holanda – alagoana; Profª. Anísia de Paulo Figueiredo – mineira; Ir. Luzia Maria Senna – baiana; Profª. Lurdes Caron – catarinense; Profª. Marilac Loraine da Rosa Oleniki– paranaense; Prof. Dr. Sérgio Rogério Azevedo Junqueira – carioca. Foram traçados alguns critérios de organização para o GRERE (2004-2005): buscar profissionais que tivessem uma presença eclesial, fossem envolvidos no campo operacional e acadêmico com o Ensino Religioso, representasse os segmentos: ENSINO – sistemas educacionais (público e confessional); PESQUISA – vinculados a Instituições de Ensino Superior; EXTENSÃO – produção (campo editorial). Por este motivo foram convidados os atuais membros do GRERE. A celebração de abertura desta reunião foi a partir de uma lembrança da região de Diamantina (MG) de um garimpeiro com uma pedra semipreciosa; foi comparado o trabalho destes homens com os que estão envolvidos no Ensino Religioso, pois exige uma ação paciente em compreender os diferentes momentos da educação nacional e sua relação com a busca da identidade desta área do conhecimento. No planeta há inúmeras pedras de qualidades e tamanhos diferentes. A pedra é como o alicerce, que dá o suporte na construção, lembrou o trabalho dos professores e de muitas pessoas que buscam gerar vida. A pedra traz sempre o desafio de lapidá-la, o que exige lapidar-se. O educar-se. Olhar de desafios e possibilidades. A pedra lembra o trabalho e o contexto em que se encontra. Em cada contexto tem os seus desafios, as suas riquezas. O desafio de encontrar o sentido da vida. No Ensino Religioso há uma série de pedras, que precisa lapidar. Essa é a dimensão do ser humano em construção.

[i]1.2.1. “No meio do caminho tinha uma pedra. Tinha uma pedra no meio do caminho. Tinha uma pedra. No meio do caminho tinha uma pedra. Nunca me esquecerei…”[/i]

A primeira reunião desta nova equipe foi um importante momento de fazer memória destes vinte anos de percurso do GRERE, que está realizando a sua 51ª. Reunião de assessoria ao episcopado brasileiro. Com certeza é um mérito da Igreja conseguir manter um ou o mais antigo grupo de reflexão do país. O GRERE promoveu pesquisas, publicações, eventos gerando um significativo movimento de reflexão sobre este componente curricular brasileiro. Diante do quadro evolutivo do GRERE os membros procuraram refletir os diferentes momentos do Ensino Religioso e as atuais tendências percebidas, no campo das pesquisas acadêmicas existe uma ampliação de trabalhos no campo da especialização e dissertações de mestrado, enquanto no cenário político um questionamento entre líderes das tradições religiosas e políticos em conseqüência da dificuldade de compreensão da Lei de Diretrizes como um todo, muitos realizam a leitura isolada do artigo trinta e três e não da atual configuração do ensino nacional, promovendo tensões. Um dos elementos que foi destacado no processo do Ensino Religioso é a presença da REVISTA DIÁLOGO que nasceu em decorrência de todo este percurso de reflexão qualificada prestada pelo GRERE ao episcopado. Atualmente os Bispos estão realizando ações diferenciadas e algumas vezes atuando sobre os sistemas públicos de ensino, o que nem sempre tem sido bem compreendido pelos professores e na mídia. O Episcopado está preocupado com o entendimento da Lei do Ensino Religioso. Querem saber como está este componente curricular nos Estados e Municípios, conhecer a lei nos mínimos detalhes. Torna-se urgente realizar um estudo sério sobre a legislação para subsidiar o episcopado em suas ações. Outro ponto da pauta foi à relação do Setor de Ensino Religioso com organizações, instituição envolvida com o Ensino Religioso, foi lembradas o Fórum Nacional Permanente do Ensino Religioso (FONAPER) e Associação de Educação Católica (AECBR). Neste campo percebe-se ainda uma certa tensão entre GRERE e FONAPER. É preciso manter aberto canais de diálogo entre diferentes instituições. Há concepções diferenciadas da compreensão do Ensino Religioso. O diálogo com estas diferentes concepções favorecerá a ampliação na qualidade desta área do conhecimento. Reforçou-se a importância desta articulação, entretanto o desafio é de ver e saber com quem somar forças, com quem articular. Com certeza é significativo pensar como e com quem realizar parcerias neste campo torna-se urgente resgatar a capilarização da organização do Ensino Religioso em nível nacional e regional. É preciso que haja publicações científicas sobre este componente curricular, para agilizar a pesquisa científica e aprofundar o Ensino Religioso como área do conhecimento.

 Publicado originariamente no dia 06 de março de 2013.

/ Brasil

Compartilhar esta Notícia

Comentários

Sem comentários até o momento.

Envie um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Enter Captcha Here : *

Reload Image