Rio de Janeiro – Rio constitui Associação de Ensino Religioso

RIO DE JANEIRO

Rio de Janeiro – Rio constitui Associação de Ensino Religioso

O Rio de Janeiro é mais um Estado brasileiro a constituir uma associação de professores católicos na área do Ensino Religioso confessional. A posse da diretoria executiva, sob a coordenação da professora Claudete Cruz, está agendada para o próximo dia 25 de agosto.

Em assembléia geral realizada na última sexta-feira, 18 de junho, os educadores participantes, previamente convocados pela Igreja Católica do Rio de Janeiro, através da Coordenação de Pastoral e do Departamento de Ensino Religioso, sob a chancela do Arcebispo Dom Orani João Tempesta, criaram a associação, aprovaram o estatuto social e elegeram a primeira diretoria.

– A associação será um porto seguro para os educadores católicos. Agora será possível fazer um trabalho direcionado e, com a união de esforços, melhorar a qualidade do Ensino Religioso, afirmou a professora Dagmar Maria Silva, da vizinha cidade de Petrópolis.

Ao acolher os 50 participantes na sede da Arquidiocese, no bairro da Glória, Dom Orani falou sobre a importância da associação para o fortalecimento dos educadores e o desenvolvimento do Ensino Religioso nas escolas, visando à promoção e à formação integral da pessoa humana.

– O Ensino Religioso é um grande dom, elemento imprescindível para a formação do ser humano e para a sua realização como pessoa. A Igreja, na sua tradição católica de fazer o bem, quer contribuir com uma sociedade fraterna e de paz, promovendo o primado do direito da família de exigir que a escola ofereça a educação religiosa para seus filhos, afirmou.

Ao abordar sobre as idas e vindas do Ensino Religioso no Rio de Janeiro, e sobre sua experiência à frente da Comissão Episcopal para a Cultura, Educação e Comunicação Social, lembrou que há um longo caminho a percorrer. Porém, o Arcebispo ressaltou que a criação da associação era uma necessidade para que os educadores católicos, com representação oficial, possam reivindicar junto às instancias governamentais a aplicação da disciplina, garantida pela Constituição Federal.

– O Estado é laico, não tem religião, e, por isso mesmo, precisa respeitar a diversidade religiosa do povo, não impondo posicionamentos ideológicos, nem usando de interesses políticos e econômicos com o objetivo de excluir Deus da vida das pessoas, afirmou.

Para garantir o andamento da assembléia e alcançar seus objetivos, primeiramente foi aprovado o regimento interno, relacionado com as finalidades, os participantes, as funções da presidência e as eleições.

O primeiro conferencista foi o diretor do Instituto Superior de Direito Canônico do Rio de Janeiro, Padre José Gomes Moraes, que fez esclarecimentos sobre a fundamentação canônica do funcionamento das associações de fiéis católicos.

O estatuto social, após a sua leitura e com os ajustes necessários, foi aprovado por unanimidade. As dúvidas jurídicas foram respondidas pelo advogado Eduardo Grova, diretor da União dos Juristas Católicos do Rio de Janeiro (UJUCARJ).

Como fruto da Campanha da Fraternidade de 2010, que abordou sobre “Fraternidade e Economia”, a Associação dos Professores de Ensino Religioso Católico (ASPERC), nasce com a finalidade de propiciar a difusão e o intercâmbio de informações sobre o desenvolvimento do conhecimento e prática do Ensino Religioso confessional e plural.

Dentro das finalidades especificas, haverá atenção e acompanhamento especial aos educadores associados, assim como às questões relativas ao entendimento da disciplina, garantindo o desenvolvimento das relações entre pessoas dedicadas ao estudo, ensino, pesquisa e aplicação do Ensino Religioso confessional e plural.

Vinculada à Arquidiocese do Rio de Janeiro, as atividades da ASPERC deverão ser pautadas em consonância com o Evangelho de Cristo e à luz dos ensinamentos do Magistério da Igreja Católica.

A chapa “Verdade”, integrada por educadores que também militam em pastorais, como a da Educação, Juventude e Sobriedade, foi aclamada como vencedora, por um mandato de dois anos, com direito a prorrogação por mais dois anos.

O gerente comercial Roberto Maggesi confessou sua alegria pela criação da associação e por estar integrando o Conselho Deliberativo. Atuando como formador na Pastoral da Sobriedade, desenvolve diversas atividades educativas em favelas do Rio de Janeiro, principalmente na área do pré-vestibular comunitário.

– Estamos fazendo história pela coragem de dar esse passo. Temos convicção da importância da dimensão religiosa na vida das pessoas. A prática da religião superou a dinâmica da escola no campo da formação da pessoa humana, afirmou.

Os membros da diretoria executiva são: Presidente – Claudete Cruz; vice-presidente – Vera Pinheiro Viveiros; secretária – Elza Maria Gheller e a tesoureira – irmã Maria Gizelda Grangeiro. Foram também confirmados os integrantes dos conselhos consultivo, deliberativo e fiscal.

– A associação irá fortalecer a nossa identidade como Ensino Religioso católico. Era imperativa a legalização da classe que vinha se debatendo, com dificuldades de desenvolver um trabalho à altura, como nossas crianças e adolescentes merecem, afirmou a presidente eleita, Claudete Cruz.

A posse acontecerá no próximo dia 25 de agosto, às 13h30, no auditório nobre da Arquidiocese. A sede da ASPERC será no prédio do Colégio Internacional Signorelli, em Jacarepaguá.

– Ainda estamos com vendas nos olhos, andando no escuro, mas precisamos vencer a tentação do desânimo, usar a sabedoria que vem de Deus para superar e dirimir as dificuldades do cotidiano, aconselhou a irmã Marline Frinhani, religiosa carmelita da Congregação da Divina Providência, em Vila Isabel, que coordenou os trabalhos do dia.

O Ensino Religioso confessional nas escolas públicas do Estado do Rio de Janeiro foi sancionado em 14 de setembro de 2000 pela Lei nº 3.459, de autoria do deputado Carlos Dias. Dividido por credo, são facultativas e integram o calendário das escolas públicas, desde a educação infantil até o ensino médio.

Em 2004 houve um concurso estadual para professores confessionais, sendo as vagas divididas por católicos, evangélicos e outros credos. Atualmente estão contratados 800 professores que atuam na disciplina do Ensino Religioso em 682 escolas das mais de 1.500 existentes no Estado.

Desde o início, conforme prescreve a legislação, a Arquidiocese vem adotando critérios institucionalizados para a formação e acompanhamento de seus professores, e também a publicação de material didático.

Publicado originariamente em 04 de julho de 2010.

/ Brasil

Compartilhar esta Notícia

Comentários

Sem comentários até o momento.

Envie um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Enter Captcha Here : *

Reload Image