São Paulo – Nova defesa de Tese sobre o Ensino Religioso no campo da Educação

SAO PAULO

São Paulo – Nova defesa de Tese sobre o Ensino Religioso no campo da Educação

Doutorado – CARON, Lurdes. Políticas e práticas curriculares: formação de professores de Ensino Religioso. Exercitação para o Doutorado em Educação: Currículos. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2007,354 p. Orientador: Dr. Antonio Chizzotti Resumo: Na História da Educação Brasileira, existem pesquisas que apresentam diferentes abordagens a respeito da formação de professores. No entanto, há carência de estudos sobre a formação de professores de Ensino Religioso. Partindo desta premissa, esta pesquisa propôs-se, como objeto de estudo: Políticas e Práticas Curriculares: Formação de Professores de Ensino Religioso. Pela legislação vigente, este ensino compõe a grade curricular normal da escola pública e requer professores com habilitação e competência. Estas condições impõem novas exigências ao Ensino Religioso Escolar e ampliam-se os requisitos do profissional que poderá atuar na área. A Lei nº 9.475/97 define que os procedimentos para habilitação e admissão de professores de Ensino Religioso cabem aos sistemas de ensino. O Parecer nº 97/99 do Conselho Nacional de Educação transfere a competência desta formação aos sistemas de ensino. O Estado de Santa Catarina criou o Curso de Ciências da Religião – Licenciatura Plena – habilitação em Ensino Religioso pelo Programa Magister, desenvolvido em Instituições de Ensino Superior: Universidade Fundação Regional de Blumenau, Universidade da Região de Joinville e Universidade do Sul de Santa Catarina. Esta pesquisa procurou responder à seguinte questão norteadora: Quais as políticas e práticas utilizadas para formação de professores de Ensino Religioso no Estado de Santa Catarina? Quais os resultados alcançados? Sua meta maior foi identificar e analisar políticas e tendências atuais de formação de professores de Ensino Religioso no Estado de Santa Catarina. Seus objetivos específicos foram: contextualizar o Ensino Religioso na história da educação brasileira; conhecer a posição de professores e acadêmicos egressos do Curso de Ciências da Religião – Licenciatura Plena – habilitação em Ensino Religioso; detectar políticas, tendências e resultados alcançados na formação de professores de Ensino Religioso. O respaldo teórico fundamentou-se em autores que tratam da metodologia, da história e das políticas educacionais e formação de professores, de maneira geral. Trata-se de uma pesquisa qualitativa que adotou o estudo de caso, a análise documental e entrevistas, tendo como sujeitos: docentes e acadêmicos egressos do curso em pauta. Parte da Constituição de 1988 e da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional de 1996, faz uma retrospectiva histórica para analisar, como se organizou e desenvolveu o sistema de ensino na educação brasileira e, nele, o ensino de religião no Brasil Colônia, no Império e na República. A partir de 1931 e da Constituição de 1934 e Constituições posteriores, denominou-se Ensino Religioso e aos poucos, começou a receber um novo tratamento. Na atualidade, apresenta uma nova leitura quanto à sua concepção epistemológica. Para que o Ensino Religioso, hoje, atenda a seus propósitos, são necessárias políticas públicas de formação de professores. Além disso, a pesquisa buscou relacionar a evolução do sistema de ensino brasileiro às políticas de formação docente presentes em cada período da história da educação nacional e do Estado de Santa Catarina. O estudo poderá dar sua contribuição social na organização dessas políticas ao apontar caminhos para acesso a uma formação continuada de professores de Ensino Religioso.

Publicado originariamente e 10 de outubro de 2013.

/ Brasil

Compartilhar esta Notícia

Comentários

Sem comentários até o momento.

Envie um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Enter Captcha Here : *

Reload Image